IJC DESDE : 2015

Crescida entre as coxias do Teatro Nacional e apaixonada por dança desde a infância, se dedicou ao ballet clássico por cinco anos. Na vida adulta, buscou novos ares e iniciou, no Instituto de Dança Juliana Castro, o curso de Zouk Brasileiro, onde foi monitora por dois anos. De lá, passou por diversas outras danças de salão, mas o gostinho do Zouk Brasileiro nunca mais a largou. Atualmente, ministra aulas de Zouk Brasileiro em parceria com o professor Vinícius Mesquita. Juntos levaram o seu trabalho coreográfico para o Rio de Janeiro, no Congresso Aliança Zouk, e ministraram aulas no congresso Dança Cerrado em Brasília.

Conheça outros professores

Saiba mais sobre os nossos talentosos professores

Graduada em Educação Física e Pós-graduada em Desporto Adaptado pela Universidade de Brasília, especializada em Sapateado Americano – TAP Dance. Responsável pela comemoração do Dia Internacional do Sapateador (25 de maio) em Brasília, Juliana se firmou dentre os mais respeitados nomes da dança no DF. Já dividiu palco com outros grandes nomes da dança como Steven Harper e Jane Alexander, deu aulas em algumas academias da cidade e sua maior realização começou em 2004 com a abertura da Escola de Sapateado. A Escola evoluiu e deu lugar à Tribo das Artes que, além do sapateado, proporciona aulas e eventos de dança de diversas modalidades. Lá, Juliana continua trabalhando com o TAP Dance, mas agora procura atingir todas as idades. “Para mim a dança é mais uma forma de educação cidadã, porque estimula disciplina e perseverança em quem pratica“, diz a sapateadora. “O sapateado é arte, principalmente, dos pés, mas é também dançado com o corpo e, por que não, com o coração”, completa.
    Trabalha com um estilo mais coreográfico em diversas músicas e estilos de gêneros diferentes encaixando uma dança pessoal e de linhas para vídeos (voltado a danças urbanas).
    A admiração pela dança iniciou-se ainda quando criança. Quando via apresentações de quadrilhas em escolas e festas juninas. Teve seu primeiro contato com a dança de rua em 2008 ainda na escola, quando foi premiado com vários títulos de danças escolares. Em 2009 foi convidado para fazer parte grupo THE LINKS, sendo reconhecido por sua dança e por seu coreógrafo, Willian Andrade.
    No mesmo ano teve contato com os bailarinos Rômulo Nobre, Tiago Moreira e Lucas Moreira, que os convidou para fazer parte do grupo Soul Dance, obtendo aprendizagem sobre a dança teórica e prática, também sendo reconhecido nessa trajetória.
    Em 2010 conheceu o bailarino Leonardo Conrado, que lhe fez um convite para participar de suas aulas de Freestyle hip hop dance. O ano de 2010 ainda levou a conhecer um dos coreógrafos mais renomados de Brasília, Rafael Vieira Nino, tendo a oportunidade de participar da Companhia de Danças Urbanas Cia Have Dreams, onde atuou como coreógrafo e bailarino.
      Nascido na Bolivia e naturalizado Brasileiro, Eduardo Landívar de Arsolino, teve o primeiro contato com dança de salão em 1998, no projeto em que o mestre Valter Nery do Rio de Janeiro coordenava, gratuitamente aos finais de semana. Aperfeiçoou posteriormente todas as modalidades de dança de salão por aproximadamente, dois anos na antiga academia Baila Comigo. Paralelamente a isso, ingressou no curso de Educação Física pela Universidade de Brasília, o qual teve profundo embasamento teórico-didático. Inspirando-o assim, conjuntamente com outro profissional da dança e aluno do mesmo curso, a criar em 2004 o projeto comunitário: “Jogo da Dança”, ainda em vigência, o qual também é professor. Sendo assim o projeto teve base nos princípios educacionais, sociais e moral por ele atribuído durante todo curso. Apresentou e coreografou parcial e integralmente diversas apresentações de dança de salão entre 2001 até o presente momento na sala Martins Pena e Villa Lobos do Teatro Nacional. Além de apresentações em diversas casas de show, festas, hotéis e colégios durante esse período. E já se apresentou pela companhia Alex Gomes no Rio de Janeiro, congressos e outros locais. Realizou vários cursos que visam à melhoria de seu desempenho como dançarino e professor, dentre alguns estão: Todas as edições dos congressos mundiais de salsa realizados no Brasil, “O Domínio do Corpo Atravéz da Dança” Processos criativos, interativos e vivenciais na dança atravéz de técnicas de balé, contato e improvisação e street dance. Estruturou o projeto voltado para deficientes auditivos ”Eu sinto, logo danço” 2006, com a professora também licenciada em Educação Física, Graziela Rodrigues Ribeiro. E o “Dança Especial” 2011, que visa atender vários tipos de deficiência até o presente momento.